Tempo e Notas(acadêmicas)

      Wittgenstein foi um gênio que se recusou a ler os mortos, pois havia muitos. Assim como poucos, reconheceu que seu tempo era limitado, e tinha de escolher entre desenvolver suas teorias ou passar a vida a repetir ideias alheias. O mundo acadêmico de lá pra cá mudou muito, mas a premissa básica se mantém: há um conjunto básico de conhecimento acumulado o qual absorver, e para isto serve o ensino institucionalizado.

     Admito que há inúmeras propostas de reforma, mesmo em comunidades epistêmicamente probas, há problemas de publicação.  O ponto aqui é reconhecer algo específico: para algumas pessoas o critério de avaliação erra o alvo. Não porque as salas são compostas por intelectos superiores, mas sim porque a qualidade é difícil de  reconhecer, as pessoas não são transparentes, e o critério de avaliação deve ser exterior as preferências pessoais.

      Em geral, suspeito que por vezes os professores usam a intuição e não um procedimento minimamente sensato para avaliar. E isto é mal. É mal porque incentiva o aluno a priorizar qualidades que agradam A e B, e não a desenvolver suas ideias. Mas como o tempo é limitado, escolhe-se entre ler o que lhes apetece, ou obedecer o mestre. Por questões pragmáticas, a generalidade adota a segunda opção: comporta-se como aluno exemplar, pois assim terá seu Lattes limpo. Nacionalmente isto significa quantidade, você elabora um projeto de pesquisa, e se alimenta dele até a CAPES dizer ‘chega!’.

     O resultado disto são hábitos perversos: assédio moral, terrorismo intelectual e nepotismo. Este estado de coisas está presente em todas as disciplinas em maior ou menor grau, mas há países onde a porcentagem de pessoas que os praticam supera o limiar tolerável, fazendo com que todo o sistema entre em colapso, necessitando de uma reforma completa. Penso que nosso país está próximo de atingir este ponto, todavia, há pessoas como o Nicolelis, sugerindo mudanças que urgem serem implementadas. Se iremos adotá-las em tempo, é algo que saberemos nos próximos anos.